Tuesday, June 12, 2007

A recusa

Cortai as amarras da paixão
Deixai de ouvir a voz do sentimento
O mundo é só lógica e razão
Deixou de haver lugar para o sofrimento

Estilhaçada a mente pela poesia
Perdido o olhar negro da memória
Viverá então o mundo em alegria
Enquanto ela se perde nas trevas da história

Recuso este destino cruel
Recuso a tua poética alma
As cicatrizes que tu tens na pele
A tua face, sempre triste, nunca calma

Pois porque tu já estás perdida
Enquanto eu ainda me posso encontrar
Pois porque queres pôr fim à tua vida
A tua alma, eu terei de recusar